Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Oiço às vezes dizer: "eu cá gosto muito mais de viver do que de ler". Muito bem. Quando estão parados a olhar para as paredes, numa fila das finanças, estão a viver mais ou menos do que alguém, logo atrás, que está na mesma fila, mas a ler um livro?

Ora, vou dar a primeira volta pela biblioesfera portuguesa. É uma volta singela, para experimentar. Veremos como corre...

 

Para começar, Maria do Rosário Pedreira lê A Velocidade dos Objectos Metálicos. Diz a editora que, "para mim, que já passei dos cinquenta e tive uma adolescência mais ou menos pacata, foi bastante desconcertante." Porquê? Leia no Horas Extraordinárias. O Blogtailors liga-nos a esta preciosidade: resumos de livros em 140 caracteres. Sara Figueiredo Costa avisa-nos (ou avisou-nos, que isto já é do ano passado) sobre a situação das Bibliotecas de Lisboa, algumas das quais vão passar para as freguesias e coisa pode ficar feia. Isabel Coutinho descobre as Crónicas do Inferno e descobre ainda quem é o autor de O Meu Pipi. Quem ainda não sabe, corra a saber. Eduardo Pitta lembra Paço D'Arcos (o autor). Saindo dos livros por momentos, Pedro Guilherme-Moureira casa Lisboa e Porto e casa muito bem. Pedro Vieira lê o The Economist e encontra portugueses em estações de serviço inglesas (aqui por este blogue havemos de voltar a esse exacto artigo). A Vespinha lê Morreste-me e, logo a seguir, quer andar de comboio pela Sibéria fora. Por aqui, faz-se readerspotting a 200 km/h. Já João Ventura lembra o cronópio Cortázar, que não pode faltar num blog de livros, claro está.

 

Enfim, acaba a experiência por hoje. A coisa está ainda fria. Esta volta, para usar o empreendorês, acrescenta pouco valor. Mas, enfim, isto são 1h30 da manhã e convém fazer alguma coisa enquanto o sono não me bate na cabeça mas já está suficientemente próximo para não me deixar trabalhar em coisas úteis.

 

publicado às 01:40

Sim, confesso: às vezes peço à minha mulher para levar o livro que estou a ler na mala dela quando saímos de casa. E confesso também que raramente saio de casa sem um (ou mais) livros. Assola-me o terror de ficar mais do que cinco minutos parado, à espera de alguém ou numa fila ou em qualquer sítio aborrecido e encontrar-me sem livros — perdendo assim esses cinco minutos de leitura. Sim, isto é uma doença grave.

Mas, dizia eu, peço muitas vezes à ----- para me levar um livro na mala. E ela aceita, quase sempre. Afinal, conhece bem o bicho com quem casou.

 

Aceita quase sempre.

 

Quando lhe aparece um calhamaço destes à frente, a coisa pia mais fino:



(Ainda por cima em francês, que é língua que ela não gosta nem para carregar na mala.) 

Isto explica que haja livros que leio de forma muito vagarosa, mesmo que tenha vontade de os ler a todo o momento. E este é um caso desses. Tanto assim é que, mesmo depois de ter comprado o dito calhamaço, procurei afincadamente a versão electrónica, pela qual pagaria, se a encontrasse. Mas presumo que o autor seja um ebookofóbico — e se o autor não autoriza, quem sou eu para descarregar uma qualquer versão electrónica dum livro?

E assim se percebe porque que estou ainda no início deste romance policial (La Verité sur l'Affaire Henry Quebert), cujo narrador é um jovem escritor americano, que se vê envolvido num caso de polícia, porque o seu melhor amigo, um escritor consagrado, se vê acusado de assassinar uma menor, 30 anos antes — isto quando o corpo da rapariga é encontrado no quintal do acusado, com o manuscrito da sua obra-prima entre os ossos.

Policial, livros, editores, manuscritos, amores proibidos... Tem tudo para ser um vício para um livrólico como eu. (Ou será bibliólico? Ou anglosaxonicamente bookalólico?)
 
E, sim, armado aos cágados, estou a ler em francês. Há uma tradução em português, mas gosto de, por vezes, treinar o músculo do francês — e, por alguma razão, não me custa nada ler policiais nessa língua (por intercessão de São Simenon, talvez).

Curiosamente, acabo por ter um certo prazer perverso em ler livros franceses com alguma relação com os EUA. É uma perversão intelectual minha, se quiserem. Estes dois povos, parte do trio fundador da democracia como a conhecemos hoje, gostam tanto um do outro como os portugueses gostam dos míticos castelhanos de Aljubarrota. E, no entanto, a relação franco-americana parece ser uma relação de amor-ódio ou talvez de ex-namorados… Afinal, se bem se lembram, no começo de vida dos Estados Unidos, a França era a namoradinha e o Reino Unido era o mau da fita. A França, qual amante enlevada, mandava estátuas da liberdade… Hoje, os franceses acham os americanos a origem de todo o mal cultural e político, uns parolos optimistas que andam aos tiros pelo mundo fora, num massacre cultural chamado de “mondalisation”, enquanto os americanos acham os franceses uns cobardes armados ao intelectual (1), fechados numa cultura decadente e imoral. Ai, que isto são dois simplismos. Mas não somos todos simplistas ao extremo ao olhar para os povos que consideramos estrangeiros? 

 

. . . . . . . . 

 

Alto e pára o baile. Reparo agora que este último parágrafo se baseia num erro de palmatória. Afinal, o autor do romance acima fotografado com amor e carinho não é francês. É suiço. Caraças, o parágrafo estava tão giro, o homem tinha mesmo de ter a nacionalidade errada. Portanto, agora posso apagar o parágrafo, ou continuar para bingo como se nada fosse.

 

Ponho o parágrafo em itálico e adiante.

 

Continuemos, pois. Outro livro em francês sobre os EUA que li há uns tempos (confesso: não o li na totalidade, nem sei se cheguei a metade, mas não interessa) é American Vertigo, de BHL:


 

Sobre este, não vou dizer grande coisa para já. Pode ser que volte um dia, quando já tiver dado outras voltas aqui às minhas estantes e tiver tempo de o ler até ao fim. O que me apetece dizer agora é que estes livros são interessantes e fazem-nos cócegas no cérebro porque nos dão cabo de dois preconceitos. Por um lado, estes franceses parecem compreender a América melhor do que muitos americanos (o que parece ser uma tradição antiga). Assim, ficamos a perceber que os franceses não são todos anti-americanos primários. E, olhando para a América com olhos franceses, lá vemos vendo que a América não é o que anti-americanismo caseiro também acha que é.

A leitura quebra-nos preconceitos e tal: também é para isso que serve...

Todo este arrazoado fez-me lembrar Paris e um livro que folhei num quarto dum primo francês (que nunca vi) nos idos de 1996... Primo francês esse que nunca conheci. O que estava eu a fazer no quarto dum primo francês que nunca vi na vida? Não perca o próximo episódio...

(continua...)

 

 

 

(Fonte aqui.)

 

(1) Já agora, este artigo do The Economist sobre o pessimismo francês é muito interessante. 

 


 

A segunda parte deste post está aqui:

¶ Quando fomos a Paris e encontrámos o mistério do WC (e também falamos de livros)

Isto deve ser daqueles elogios tão batidos que os senhores da Tinta da China devem sentir-se como certas mulheres lindas que sabem que são lindas e que estão sempre a ouvir dizer que são lindas, por estas ou outras (mais fortes) palavras e já não sabem o que dizer ou fazer que não seja usar dum sorriso já um pouco amarelo (mas lindo).

É que inguém consegue esconder: os livros da Tinta da China são lindos. Até podiam ser livros mesmo muito maus, que seria um prazer afagá-los. Mas, não, são livros quase sempre de ler e chorar por mais. Ou seja, confirma-se: é falsa a ideia de que a beleza exterior é por vezes compensada por estupidez reparadora da injustiça na repartição das qualidades. Nas pessoas e nos livros, às vezes o que é lindo por fora é também muito bom por dentro.

Vou mostrar-vos ao pormenor a minha última aquisição Tinta da China. Tirei as fotos na cama, porque é sábado à noite, noites de prazeres arriscados...

Reparem na capa, com o design sempre coerente e sempre especial:


Depois, o papel, as cores, o acabamento...


Estes pormenores deliciosos que nos transportam para edições de antigamente, com aqueles dois pontos de derreter logo a seguir a Lisboa e a numeração romana a seduzir-nos:


(E sabem, como poucos, usar os tipos de letra com mestria...)

Depois, até o espaço em branco à volta da mancha de texto é apetitoso:


E, para acabar, tradições que se respeitam e um sublinhar do papel, da tipografia, do tipo de letra, do local de impressão — tudo a cantar o livro como objecto real, palpável.


E, claro, como disse, os livros são muito bons e mal posso esperar para começar a ler este E a noite roda de Alexandra Lucas Coelho...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Novembro 2021

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Pesquisar

  Pesquisar no Blog