Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Se as estantes nos revelam ou nos deixam a alma um bocado nua, como disse num post desta manhã, o que farão as margens escritas dos livros?

 

Como acho que já vos contei há alguns dias, sou muito avesso a escrever nas margens. 

 

Mas, por vezes, lá deixo a mania de lado e desato a rabiscar. É libertador. 

 

Uma vez, caí no erro de emprestar um livro com essas marginalia muito minhas, cheio de exclamações, de dúvidas, de indecisões, de interpretações.

 

O amigo a quem emprestei, quando devolveu, disse-me que achou as notas terríveis, completamente erradas, sem ponta por onde pegar. O livro era muito bom, a minha leitura é que não prestava.

 

Fiquei pasmado: primeiro, pelo desplante dele em ler assim as anotações. Depois, pela forma como o mesmo livro é lido de forma tão diferente por duas pessoas.

 

Mas é assim a vida: somos todos leitores uns dos outros e raramente acertamos nas anotações que fazemos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Agosto 2017

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Pesquisar

  Pesquisar no Blog