Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




image.jpg

 

Ora, parece que o Acordo Ortográfico entra em pleno vigor daqui a poucas horas.

 

Enfim, como em tudo, há quem diga que é mesmo assim e quem diga que nem pensar! Que é tudo uma grande patranha!

 

Por mim, fico a olhar e a pensar: o Acordo foi um grande disparate — mas foi assinado e, acima de tudo, foi implementado, bem ou mal, no sistema de ensino e no Estado.

 

Ora, sendo a ortografia desgraçadamente regulada por lei (não devia!) — a verdade é que a nossa ortografia passa a ser, oficialmente, a do Acordo. Neste momento, não me parece possível voltar atrás.

 

Mas, reparem: estamos a falar do que é oficial. Ou seja, estamos a falar do Estado e das relações com o Estado. 

 

No sector privado, não há obrigatoriedade de usar o Acordo — embora haja um grande incentivo a partir do momento em que o Estado deixa de aceitar a ortografia de 1945.

 

Já na nossa vida pessoal, é como sempre foi: podemos usar a ortografia que quisermos. 

 

O que irá acontecer? 

 

Provavelmente, nós — que aprendemos a ortografia de 1945 — continuaremos a usar as duas ortografias, uns caindo inevitavelmente perante a força da nova ortografia, outros ficando teimosamente a usar a antiga. 

 

Os mais novos irão usar a nova ortografia com tanta naturalidade como nós usamos a antiga — e verão "acção" e "actor" como algo tão diferente como "pharmacia".

 

E não há muito mais a fazer ou a dizer.

 

Talvez possa ainda fazer uma previsão: os nossos filhos, daqui a umas décadas, quando lerem algumas reacções à nova ortografia, ficarão surpreendidos com a violência da linguagem.

 

Afinal, parece que o Acordo põe em causa qualquer coisa como a "alma" da língua — e é uma Barbárie, uma Mentira, um Engodo, uma Perversidade (tudo assim, em maiúscula, claro). Os insultos abundam. Há quem não queira ler nada que esteja escrito com a nova ortografia, com medo de ser infectado. Há quem defenda que a única ortografia que aceita é a de Camões — esquecendo-se que Camões escrevia com uma ortografia muito diferente...

 

Respiro fundo. É complicado olhar para aqueles que defendem algo parecido com aquilo que defendo (o Acordo não serviu e não serve para nada) e ficar tão triste com os argumentos. 

 

Adiante. Lembremo-nos apenas que Fernando Pessoa usou a ortografia anterior a 1911 até aos Anos 30 e não consta que tenha sido preso. Por isso, descontraiam-se e, sempre que puderem, usem a ortografia que preferirem — mas usem-na bem, já agora.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:45


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Vespinha a 27.05.2015 às 14:55

Uso o AO90 há quatro anos, por motivos profissionais, e fui-me habituando a ele. A voltar atrás teria agora de reaprender o AO45. Há muitos casos com que não concordo, mas de um modo geral não me baralha e acho que algumas mudanças até fazem sentido.

Agora o que me irrita a sério é quem critica o AO90 sem nunca sequer o ter lido, mencionando exemplos que não sem onde os foram buscar. :)
Sem imagem de perfil

De Filipe a 26.08.2015 às 17:21

Serviu para muita coisa: a indústria editorial brasileira que pretende exportar livros pra África e a indústria editorial Portuguesa que se expande no Brasil que o digam!

Comentar post



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Maio 2015

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Pesquisar

  Pesquisar no Blog