Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livros & Outras Manias

Livros & Outras Manias

20
Mar14

Um post que não escrevi sobre o dia em que comprei livros a mais em Londres

Marco Neves

Hoje queria contar-vos como foi ir de lua-de-mel a Londres (depois de uns dias em Cabo Verde) e sair do hotel para passear pela cidade onde estava pela primeira vez, apesar de ser um das minhas cidades preferidas (exacto, mesmo antes de lá ir), e encontrar a Foyles logo nos primeiros minutos e desatar a comprar resmas de livros, e depois perceber que temos de andar o resto do dia carregados com os sacos pesadíssimos, numa altura em que ainda não tínhamos filho para pôr os livros no carrinho.

 

Sim, porque ter filhos tem destas vantagens: dão-nos carrinhos para transportar coisas, ali naquela cesta por baixo da cadeira do herdeiro de tanta livralhada.

 

Enfim, se tivesse tido tempo, também tinha escrito como este episódio me provou que a minha mulher gosta mesmo de mim. Quem iria aturar uma cena destas se não gostasse mesmo do viciado em livros com quem casou?

 

Pronto, queria contar e escrever, mas acabei por não ter tempo e por isso fica para a próxima.

 

19
Mar14

Mergulhar em Barcelona

Marco Neves

Algumas das imagens mais impressionantes dos Jogos Olímpicos de Barcelona foram conseguidas com os mergulhos em Montjuïc.

 

A imagem de fundo destes mergulhos é arte por si só. Barcelona é uma obra de arte que o mundo descobriu em 1992.

 

 

 

 

 


(Estas são imagens mais recentes, mas foi em 1992 que descobrimos esta maravilha.)

 

http://www.theguardian.com/travel/video/2011/nov/01/barcelona-olympic-swimming-pool-video

http://www.theguardian.com/news/2013/jul/17/picture-desk-live-the-best-news-photographs-of-the-day

 

19
Mar14

Ai, Barcelona

Marco Neves

Já vos comecei a contar antes a minha estranha relação com a Catalunha e com Barcelona.

 

Ora, há uns dois anos fui a Barcelona participar num congresso da minha área e decidi armar-me em turista à séria: a minha mulher e eu pegámos em nós e toca de comprar um bilhete daqueles autocarros turísticos. 

 

Pode parecer coisa parva, mas deu para conhecer partes da cidade onde nunca tinha ido. E acabou de forma surreal: o motorista foi-se embora e deixou-nos a todos, baralhados, à espera, até que decidimos, nós e os restantes estrangeiros, ir embora também. O que vale é que faltavam uns metros para acabar a volta.

 

Para dar um ar mais literário à coisa, comprei este livrinho em La Pedrera e passei muito do tempo a lê-lo. 

 

 

Estas misturas (um português a ler um livro dum irlandês sobre uma cidade catalã) são mais do que deliciosas: são a alma das grandes cidades, como Barcelona, uma cidade que parece estar a gozar connosco, enquanto nos diverte.

 

 

09
Mar14

Viajar na cidade onde se vive

Marco Neves

Ora, ontem foi dia de passeio. O meu filho tem cá dois dos tios e acabámos por ir passear por Lisboa, o que é sempre agradável. A desculpa de mostrar a outros o sítio onde vivemos serve sempre para conhecermos a nossa própria cidade. 

 

E, depois, não se esqueçam: ontem foi dia de sol! E sol nos últimos meses é coisa para não desperdiçar.

 

O dia começou às três (tardíssimo, eu sei, mas era sábado e estivemos a descansar da semana...). Os meus sobrinhos (doutra tia) tinham uma festa em Monsanto e a irmã da minha mulher convidou-nos para ir lá, com o meu filho, o meu irmão e namorada (os tios visitantes — isto com tanto tio, qualquer dia, é melhor fazer-vos uma árvore geneológica...).

 

Portanto, atravessámos Lisboa, e lá chegámos ao Espaço Monsanto. Para chegar até lá, passámos pela Serafina, pelo Aqueduto, pelo Tribunal, e lá fomos nesse canto perdido e lindo de Lisboa.

 

 

 

Depois, convencemos a irmã da minha mulher a ir connosco, de novo, ao Mercado de Campo de Ourique...

 

 

Depois, fomos até à Ler Devagar, em Alcântara (LX Factory):

 

 

 

 

Depois, o meu irmão quis ir passear pela cidade. Fomos até Belém, ao Restelo, lá voltámos ao nosso lado oriental da cidade, onde arrumámos o carro na garagem e fomos pela noite quente fora até à pizzaria mesmo ali ao pé da Doca dos Olivais. 

 

Ainda demos ali um saltinho à Fnac, onde vários grupos de rapazes esperavam que as namoradas terminassem os jantares do Dia da Mulher. Folheei mais uns livros — depois da Ler Devagar, já era a segunda livraria do dia.

 

Quando voltámos, a pé, pela zona residencial fora, a minha mulher e eu reparámos num casal de americanos a falar alegremente, mas que parecia irremediavalmente perdidos, à procura de bares numa zona da cidade onde não há muitos bares... Voltámo-nos para trás, e perante a surpresa deles, orientamo-los para onde podiam passar uma noite mais alegre. "Podem começar ali, ao pé daquela torre!" Foram com um sorriso na cara.

 

 

E foi assim, o nosso dia de viajantes por Lisboa fora. Um dia apetitoso, o meu filho quase sempre a rir-se, e a nossa cidade ali atravessada de trás para a frente (e nunca acaba, porque há sempre mais a descobrir.

 

 

[www.joaoleitao.com]

 

Fontes:

https://www.google.pt/maps/@38.732464,-9.172272,3a,75y,69.26h,81.01t/data=!3m4!1e1!3m2!1s9RfLvBprnvIYnhTNh-8sbg!2e0 (Monsanto)

http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Parque_de_Monsanto_5557.jpg (Monsanto)

- http://www.cm-lisboa.pt/noticias/detalhe/article/campo-de-ourique-espera-por-si-no-mercado (Mercado de Campo de Ourique)

- http://myguide.iol.pt/profiles/blogs/comercio-para-la-e-para-ca-na-lx-factory (LX Factory)

http://www.lerdevagar.com/index.php?option=com_content&view=category&layout=blog&id=2&Itemid=2 (Ler Devagar)

http://www.joaoleitao.com/fotografias-lisboa/alfama/miradouro-portas-sol/ (Lisboa)

 

09
Mar14

Pessoas, livros e cidades

Marco Neves

Quando tenho um livro para ler, sinto uma coisa parecida com gulodice. Aliás, acho que é mesmo gulodice. Por exemplo, tenho ali na estante A Tale of Two Cities, que nunca li (imperdoável, eu sei!), e que me apetece ler agora, de forma absurda, apesar de ter comprado o livro no século passado. Quero ler, olho para as páginas, e vem-me água à boca ao pensar no que tenho à frente, nas personagens, nas histórias, nas palavras, no mundo inteiro que me vai aparecer de repente.


Sinto a mesma gulodice perante as cidades: as ruas, os recantos, as histórias, as pessoas, as linhas de metro, as luzes nas janelas, os sons — e tudo o resto. Gosto de ler como gosto de mergulhar em cidades, reais ou imaginárias. É tudo uma questão de gulodice.

 

Há livros e cidades que são propícios para esta gulodice — Londres e Dickens, para começar. Depois, há outros livros que apelam mais ao prazer de sentir as linhas que percorrem o mundo, em que este se divide, livros que são pérolas, diamantes, que arrasam o mundo e mostram o avesso, a estrutura, a simplicidade que está por trás e que é o objecto verdadeiro da inteligência (e não tanto da gulodice) — vem-me à cabeça Borges. Em todas as cidades também há disto, nas avenidas principais, nos rios, nos mapas do metro, no nome e nos monumentos, em tudo o que realça e faz perceber a cidade num golpe de inteligência: o esqueleto das cidades, o próprio nome «cidade» e não o nome próprio de cada uma delas: «Lisboa», «Londres», «Liubliana». Mas todas as cidades resvalam para a tal profusão saborosa, mesmo as que se criam como planos exactos (lembro-me de Brasília, da Baixa, do Parque das Nações — tudo sítios que mais tarde ou mais cedo são tudo menos o plano inicial). E os livros, mesmo os que parecem pérolas de inteligência depurada, também são sempre mais do que parecem. Um conto de Borges arrasa o mundo e de repente enreda-se em livros que não existem, bibliotecas infinitas, personagens reais, enciclopédias imaginárias e por aí fora. As Cidades Imaginárias de Calvino são uma espécie de culminar dos dois tipos de livros/cidades, com as cidades destiladas nas suas várias formas, até criar uma radiografia da profusão urbana, invocando-a de forma exemplar — e é por isso que acho o livro saboroso.

 

Entre a gulodice daquilo que adivinhamos e as linhas gerais que tentamos compreender, estão também as pessoas. Tentamos categorizar, compreender, identificar todas as pessoas que conhecemos — é natural e essencial. Tentamos perceber os traços gerais, saber qual é a descrição resumida em que todos os nossos amigos e conhecidos cabem, qual o seu título, o seu género: será que aquela pessoa é um romance, uma pequena vila, um livro de poesia, uma metrópole, um policial, um bairro, uma casa sempre igual ao pé da praia, umas águas-furtadas no centro da cidade? Ora, obviamente, todos somos tudo isso.

 

Isso, e muito mais: temos sempre recantos esconsos, coisas que nem imaginamos, histórias, ruelas, personagens secundárias que quase não aparecem mas explicam muito, bairros malditos, capítulos a mais, palavras que só lá estão pelo prazer de lá estarem, linhas de metro que não vão dar a lado nenhum, noites imensas e praças calmas que ninguém conhece, com jardins e um café calmo, ao fim da tarde.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Calendário

Agosto 2017

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031