Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Entreabro a porta do quarto do meu filho à noite e fico a olhar um pouco para ele, a dormir. É difícil escrever o que sinto. É qualquer coisa de físico, inscrito em mim depois de milhões de anos de evolução da nossa espécie. Mas isto, claro, são pensamentos abstractos que tenho depois desse momento, em que entro, vejo se está tudo bem, olho só mais um bocadinho, e depois saio, encostando a porta devagarinho. O que sinto é uma mistura de emoções: felicidade (palavra tão banal), medo (palavra demasiado simples), alguma força — e ainda qualquer coisa parecida com contemplação. Ou melhor, se calhar é melhor dizer doutra forma: quando estamos em contemplação ou sentimos felicidade noutros contextos, talvez isso seja, na realidade, uma imitação do sentimento bem mais primordial que nos aparece quando olhamos para o nosso filho a dormir sossegado. E pronto, um parágrafo inteiro e não disse nada que reflectisse um terço que fosse do que senti quando espreitei o meu filho a dormir e logo fechei a porta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 12:10


1 comentário

Imagem de perfil

De Mamã Curiosa Mariada a 08.06.2014 às 09:30

É mesmo isso, um sentimento tão forte e tão difícil de descrever na totalidade...gostei muito :)

Comentar post



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre mim

foto do autor


Um livro deste blogue...

Doze Segredos da Língua Portuguesa
[Mais informações nesta página.] DOZE SEGREDOS DA LÍNGUA PORTUGUESA

Calendário

Maio 2014

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Pesquisar

  Pesquisar no Blog