Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Livros & Outras Manias

Livros & Outras Manias

25
Nov15

As religiões vazias

Marco

Ao contrário do que diz Fernando Lopes, o «cristianismo cultural» não tem nada de mal. O cristianismo vivido como verdade absoluta, esse sim, como todas as religiões, pode descambar em extremismos.

 

Os meros ritos são parte de todas as sociedades, podendo estar mais ou menos vazios sem que mal venha ao mundo. O baptismo, o casamento, a morte: todos estes passos são acompanhados de cerimónias com mais ou menos conteúdo ideológico, com mais ou menos flores e embrulho religioso, mas é quando as pessoas acreditam de forma fervorosa em tudo que as coisas descambam (ou podem descambar).

 

Por isso, não, não tenho medo de quem baptiza porque é tradição e há festa. Tenho muito mais medo de quem baptiza porque tem a certeza absoluta de todos os dogmas e quer um filho tão aceso como ele.

 

Felizmente, as nossas sociedades passaram por esses processos de separação da Igreja do Estado e ainda de esvaziamento da religião, o que só posso encarar como saudável.

 

Aliás, esse esvaziamente da religião é o que falta ainda em grandes partes do mundo islâmico: precisam de relativizar as coisas, manter a tradição cultural (que promove a coesão social, sem que nos sintamos invadidos por outras culturas) sem aquela certeza aguda que impele muitos a matar os infiéis.

 

(Só uma nota literária: uma óptima descrição da religião vazia será os ritos romanos descritos por Mário de Carvalho em Um Deus Passeando pela Brisa da Tarde. O livro mostra, entre muitas outras coisas, o confronto entre a religião que é já só ritos e uma religião, naquele caso o cristianismo, ainda tão viva que estraga muitas vidas. Mesmo que não concordem com este post, aproveitem para ler esse livro. Vale a pena.)

candles-764779_1920.jpg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Calendário

Novembro 2015

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930