Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Nos meus vintes e poucos tive aquilo que se poderia chamar de adolescência tardia, com direito a má poesia e tudo... Felizmente, não me deu a travadinha de muitos adolescentes que escrevem muito mais poemas do que aqueles que lêem: assim, lá ia eu, às vezes, procurar alimento, se bem me entendem.

 

Lembro-me de ter encontrado este livro perdido numa Fnac, que julgo ter sido a do Chiado, que era um local de peregrinação de novo lisboeta fascinado pela luz de Lisboa, sem deixar de querer livros, muitos livros, cada vez mais livros.

 

Mas, neste caso, não interesso mesmo nada. Fiquem com a beleza da capa e do primeiro poema — e leiam-no, já agora:

 

 

 

 

 

(Já agora, num aparte físico em relação aos livros — que isto dos livros de papel tem muitas vantagens — esta edição da Relógio de Água mantém-se perfeita ao fim de dez anos, papel imaculadamente branco, um livro inteiramente preto, que continua a apetecer como se fosse novo.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:19


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Taras e Manias a 20.02.2014 às 18:27

Nunca li..

Sónia
Taras e Manias (http://tarasemaniasblog.blogs.sapo.pt)
Imagem de perfil

De Marco Neves a 20.02.2014 às 19:42

Isto se todos lêssemos as mesmas coisas perdia a graça...

Comentar post



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre mim

foto do autor


Um livro deste blogue...

Doze Segredos da Língua Portuguesa
[Mais informações nesta página.] DOZE SEGREDOS DA LÍNGUA PORTUGUESA

Calendário

Fevereiro 2014

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
232425262728

Pesquisar

  Pesquisar no Blog